Por que fazer parte do Setembro Amarelo?

Você já deve estar acompanhando a campanha do Setembro Amarelo pela internet, na televisão e até nas ruas. Mas por que fazer parte do Setembro Amarelo?

O Mês da Prevenção ao Suicídio existe para tirar da sombra este tabu e estampar o amarelo em campanhas digitais de diversas marcas e nas mais variadas ações para dar mais visibilidade ao que levou 700 mil pessoas à morte só em 2019, ou seja, 1 em cada 100 pessoas (OMS), e é a quarta causa de morte de jovens entre 15 e 29 anos, atrás apenas de acidentes no trânsito, tuberculose e violência.

Durante a pandemia, este número certamente será ainda maior:
“Depois de muitos meses convivendo com a pandemia de COVID-19, com muitos dos fatores de risco para suicídio – perda de emprego, estresse financeiro e isolamento social – ainda muito presentes”, afirma Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde.

Os principais fatores de risco podem ser divididos em 4 categorias, na Cartilha Suicídio – informando para prevenir, da ABP, Conselho Federal de Medicina, 2014:

  1. Aspectos sociais;
  2. idade entre 15 e 30 anos e acima de 65 anos;
  3. não ter filhos;
  4. moradores de áreas urbanas;
  5. desempregados ou aposentados;
  6. isolamento social;
  7. solteiros, separados ou viúvos;
  8. populações especiais: indígenas, adolescentes e moradores de rua;
  9. Aspectos psicológicos;
  10. perdas recentes;
  11. pouca resiliência;
  12. personalidade impulsiva, agressiva ou de humor instável;
  13. ter sofrido abuso na infância;
  14. desesperança, desespero e desamparo;
  15. Condição de saúde limitante;
  16. doenças incapacitantes;
  17. dor crônica;
  18. doenças neurológicas (epilepsia, Parkinson, Hungtinton);
  19. trauma medular;
  20. tumores malignos;
  21. AIDS;
  22. Doenças mentais;
  23. depressão;
  24. transtorno bipolar;
  25. transtornos relacionados ao uso de álcool e outras substâncias;
  26. transtornos de personalidade;
  27. esquizofrenia;
  28. aumento do risco com associação de doenças mentais: paciente bipolar dependente de álcool, por exemplo.

 

Identificou alguém que possa estar correndo o risco de cometer suicídio?

– não deixe a pessoa sozinha;
– tire de perto armas de fogo, álcool, drogas ou objetos cortantes;
– leve a pessoa para uma assistência especializada;
– ligue para canais de ajuda, como o 188 (ligação gratuita e atendimento 24h).

 

 

Receba
nossas novidades